Made In Heaven

A humanidade não é um estado a que se ascenda. É uma dignidade que se conquista.


Nunca te questionaste porque é que as pessoas afastam aquilo que desconhecem? É uma velha questão.

Se queres que te seja sincero, penso que a influência é tudo o que se relaciona com a influência que um motivo tem sobre alguém até agir.
Geralmente gosto de observar a influência que cada passo tem sobre as pessoas e de como as pessoas agem em conformidade com… Depois de terem sido influenciadas. Observar como dois opostos se atraem sem que tenham conhecimento. Gosto de  observar a rejeição inconsciente que um oposto faz do outro, sem que se conheçam. Observo sem que ninguém sequer sinta a minha presença. Gosto de ver como há prioridades que nos afastam destes pormenores, que nos levam a chegar mais perto de conhecer alguém. A Influência que temos uns sobre os outros. A influência que todos temos sobre um. A influência que um tem sobre todos. Tambem a influência que o tempo tem nas pessoas. As formas, os mecanismos e voltinhas de dar a volta a cada um destes pontos, são pra mim um mero meio de dar a volta à questão, que assumidamente me revolta e que tento conhecer cada vez melhor, para que possa um dia em cada passo que der, deixar um sorriso mais aberto do que o que deixo hoje.
Coisa que não aconteceria se também não me fascinasse a relação Passado-Presente. É fantástico relacionar o tempo e a influência que exerce sobre as pessoas. É fantástico ver como com o passar do tempo as pessoas mudam e tudo o que permite que tal facto aconteça.
O factor Acção-Passividade, ingredientes estes que acredito terem que estar presentes em todos os instantes para que um conjunto de atitudes e reflexões que ajudam alguém a agir, possam sem dúvida fazer parte de uma mudança, ainda que pouco clara, mas notória.
Acredito terem que ser ponderadas de forma a que, por exemplo, a falta de Acção seja encarada pela diferênça, não nos deixando cair na passividade, para que possamos olhar à nossa volta e pensar, porquê?! E achar-mos uma resposta. Porque tudo o que rodeia o Motivo e a Acção na mente do ser humano é um pau de dois bicos. Tanto é escolha como dedo.

E aqui começa o meu caminho. Começa na arte de representar. Vou experimentando sensações diferentes. De tipos variados. Vou-me pondo na pele de vários pontos de vista até que consiga ver como tal e até que consiga fazer ver aos outros que posso sim, fazer estragos, fazendo de conta. Faço-o afim de conhecer melhor cada ponto de vista, sendo cada um como cada qual-Diferentes. Perceber porque represento não é mais do que aceitar que o faço porque não sou igual a ninguém. Não é mais do que afastar as diferenças e ficar cada vez mais perto de algo que eu não sou. Apaixona-me a arte de representar.

Cada vez mais perto, afastando as diferênças. Que as pessoas inteligentes se aproximam pelas suas diferenças?!
A diferença que causamos só num olhar que começa pelos olhos? A diferença de relevo pelo jeito de andar, naquele sítio? A diferença que vem ao de cima só pelas palavras que dizemos, com aquela boca? A diferença que causamos ao jogar aquele jogo sem termos necessidade de o fazer?
Podemos fazer a diferença sem nos apercebermos. Dependendo de quando nos apercebemos, podemos fazer a diferença que aproxima e a diferença que afasta.
Para quê a diferença?! Para permitir um encontro entre dois opostos, simplesmente.
Não uso relógio nem gosto de chamar nomes às coisas. Assim livre és tu, porque livres são os que te prendem.
Assim, também as coisas são aquilo que quisermos que elas sejam. Nada pode ser tão restrito ao ponto de ser apenas aquilo. Tem a ver com transformação, ou quem sabe, uma imaginação bastante fértil, com sorte. Sob várias maneiras, tudo pode ser qualquer coisa. É com essa surreal ideia que eu vivo. Com um braço nessa e outro na realidade.

E bendito seja eu por tudo o que não sei | gozo tudo isso como quem sabe que há o sol. Já dizia Pessoa…

Anúncios

Written by meph

Janeiro 15, 2007 às 4:35 am

Publicado em Uncategorized

%d bloggers like this: