Made In Heaven

A humanidade não é um estado a que se ascenda. É uma dignidade que se conquista.

É dificil amar aquilo que se conhece


Assim como é mais fácil amar aquilo de que não se conhece tanto…

De início tudo é fascinante. Tudo é tudo aquilo com que sempre sonhámos. Apodera-se um interesse tal e uma curiosidade que chega a doer de tanta vontade de dominar qualquer ligação com o fruto. Ao mesmo tempo que nos passa pela cabeça todas as ideias, enquanto somos os mais originais e a nossa imaginação é a mais abençoada tanto pela luz do dia como da noite; passamos por uma série de fases que em comum têm o facto de termos como chão a lâmina de uma espada, afiada pelo que ainda não nos fez cair e ser crescente a esperança tal como o desespero de querermos chegar mais além, mesmo que já tenhamos passado todos os limites, fugindo de tudo quanto é fagulha.

Um contraste. Uma contradição. O princípio de uma mudança que começa a se fazer sentir, em que todo o interesse é agora mais fundamentado não sei em quê, não sei como, não sei quando nem onde. É apenas belíssimo que seja.
Espera-se progressos. Espera-se de um Deus atento a resposta e procura-se a confirmação enquanto se faz este caminho solitário, pregando às rochas mais altas que um dia ainda o mar as toca.

É mais que uma cegueira. É assim como uma lâmina artista, que faz sangrar muito depois.
É dançar de pés molhados sobre um chão onde não chove.

Anúncios

Written by meph

Junho 26, 2007 às 10:29 pm

Publicado em Uncategorized

%d bloggers like this: